Ascepa – Associação de cegos do Pará

Movimento

Veja aqui, como surgiu o movimento das pessoas com deficiência visual no estado do Pará:
I.4 – HISTÓRICO DA ENTIDADE:
Fundada em 12 de maio de 2000, a Associação de e para Cegos do Pará – ASCEPA, resultou da unificação da Associação de Deficientes Visuais do Pará – ADEVIP,
e a Associação Paraense dos Deficientes Visuais – APDV, Entidades que representavam a organização social dos deficientes visuais residentes na Região Metropolitana
de Belém – RMB.
Criada com o propósito de fortalecer o movimento de deficientes visuais, propondo e viabilizando ações em busca da melhoria da qualidade de vida, a ASCEPA
tem significado um importante instrumento social na conquista de espaços e na luta pelo respeito aos direitos das
pessoas com limitação visual. Deste modo, tem atuado na capacitação de seus associados e familiares, garantido a inserção de deficientes visuais no mercado de trabalho
e contribuído na redefinição de políticas de atendimento especializado no estado do Pará.
A origem da organização social das pessoas com deficiência no Pará data do início da década de 80, quando ressoando os ecos do Ano Internacional das Pessoas

com Deficiência, instituído em 1981 pela Organização das Nações Unidas – ONU, um grupo de deficientes visuais, familiares e amigos articularam-se para fundar a Associação

de Deficientes Visuais do

Pará – ADEVIP, em 28 de maio de 1983.

No ano de 1985, após calorosos debates, foi fundada a Associação Paraense dos Deficientes visuais – APDV, instituída em 29 de junho de 1985, visando desenvolver

ações nos setores sociais em que os deficientes visuais continuavam sem atendimento. Desta forma, os deficientes visuais do Estado contavam com dupla representação

na defesa de seus direitos.

A partir de 1999, um grupo de deficientes visuais, familiares e amigos, associados às duas entidades iniciaram conversações, visando a unificação das organizações

representativas. Deste modo, em 2000 foi fundada a Associação de e para Cegos do Pará – ASCEPA, que tem por principal finalidade, conforme dito acima, defender os

direitos das pessoas com limitação visual e trabalhar pela qualidade de vida deste segmento.

A ASCEPA tem como finalidade à luta pela inclusão social, dedicando-se, especialmente, à promoção da união, do desenvolvimento, da emancipação social e do

bem-estar das pessoas com deficiência visual. Deste modo, tem buscado efetivar parcerias com instituições públicas e privadas, a fim de alcançar seus

objetivos políticos-institucionais.

A estrutura deliberativa da ASCEPA é constituída, fundamentalmente, por três órgãos:

* Assembléia Geral, órgão soberano da Entidade;

* Diretoria Executiva, composta por Presidência, Vice-Presidência, Secretaria Geral, Tesouraria, Diretoria de Educação e Cultura, Diretoria de Trabalho e Assistência

Social, Diretoria de Esporte e Lazer, e Diretoria de Relações Públicas;

* Conselho Fiscal, responsável pelo acompanhamento das finanças da Entidade, sendo eleito desvinculado da diretoria.

Estas instâncias coordenam o funcionamento da entidade, e esforçam-se por assegurar e ampliar o exercício da cidadania plena às pessoas cegas, sem perder

de foco o trabalho em busca de uma sociedade melhor para todos.

Vale ressaltar, que importantes avanços vêm sendo alcançados nos últimos vinte anos. Direitos como a reserva de vagas no mercado de trabalho, melhores condições

de formação educacional e profissional, e significativas políticas públicas de atendimento às pessoas com deficiência têm sido implementadas. No entanto, novas ações

precisam ser desenvolvidas, visto as necessidades emergentes do mundo contemporâneo.

Além de atuar na reivindicação desses e demais direitos, a ASCEPA vem efetivando importantes ações com o objetivo de favorecer a inclusão social do segmento

que representa, tanto no âmbito educacional e profissional, quanto no esportivo e de lazer. Tais ações vão desde apoio a formação de educadores, oferta de atividades

físicas e realização de cursos profissionalizantes, até a garantia do acesso e permanência de pessoas deficientes visuais no mercado de trabalho, através de articulação

com empresas e órgãos pertinentes.
(Material doado pelo Mestre Lorival em 22/01/2016).